quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Resenha: Cidades de Papel - John Green

Olá meninas, tudo bem? Espero que sim!
Faz um bom tempo que terminei a leitura do livro Cidades de Papel e, já assisti ao filme também. Hoje vou fazer a resenha do livro e também comprar com o filme.
Espero que gostem, vamos à resenha.

Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 366

Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Neste livro o autor narra a trajetória de um garoto habituado a uma rotina certinha, planejada. Ele já se resignou a levar esse estilo de vida. Desde pequeno o protagonista morre de amores por sua vizinha fantástica. Os dois estavam sempre juntos na infância; nesta época os dois encontraram o corpo de um homem que pretensamente havia se suicidado.
O tempo passa e ambos estão agora no colégio, mas não são mais amigos como antes. Margo Roth Spiegelman, a garota mais popular do colégio, é invejada pelas meninas e tem um namorado cobiçado por todas.  Quentin Jacobsen alimenta mais que nunca uma paixão platônica por ela e se mantém à distância.
Mas tudo se modifica radicalmente quando, no dia cinco de maio, que tinha tudo para ser uma data comum, a jovem entra pela janela do seu quarto e vira sua vida de cabeça para baixo. Ela está com o rosto pintado e fantasiada de ninja. Margo o convence, então, a mergulhar em uma noite de aventuras. Na verdade, trata-se de um projeto de retaliação contra o namorado e as amigas mais próximas.
Quando a jornada se encerra, o protagonista vai como sempre para o colégio, mas nesse momento ele fica sabendo que a misteriosa Margo simplesmente desapareceu. Assim que se depara com alguns indícios significativos, resolve iniciar uma investigação por conta própria para encontrar sua paixão.
Q, como os amigos o chamam, é impulsionado a seguir uma trilha sinuosa em sua busca por Margo. E, para piorar, à medida que ele chega mais perto dela, mais longe fica da visão idealista que tinha de sua amada. Aos poucos o protagonista vai percebendo que não a conhecia tão bem.
A partir de então, o leitor é convidado a partilhar das angústias e incertezas de Q, uma vez que Margo dá um nó na vida e na cabeça dele. A trama traz muitas passagens engraçadas e falas geniais. A narrativa nos leva a meditar sobre quem são, de verdade, aqueles que nos cercam e o quanto nós realmente sabemos sobre eles. E nos faz questionar até a nossa própria identidade.
Assisti ao filme antes de terminar a leitura, então eu já tinha alguns "spoilers", na verdade, o filme destoa muito do livro e ainda assim me surpreendi com o fim do livro e adorei. Em compensação, acho que não valeu tanto a pena ter assistido ao filme já que é muito diferente de tudo contado na história de Green. O filme é legal, mas quando se tem conhecimento do livro e acaba se tornando infiel à história, até porque há uma mudança enorme nos objetivos das personagens e o modo como tudo se desenrola.
Bom pessoal, por hoje é só. Espero que tenham gostado.
ARRASEM.
Beijos da Gabi.